Depois de 16 dias de emoções, chega ao fim a 31ª edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. O Rio de Janeiro se despediu da Olimpíada 2016 numa grande festa exaltando a brasilidade e sua variação cultural.


Uma queima de fogos deu início à cerimônia de encerramento. Logo na sequência surgia o 14 Bis de Santos Dumont e um painel humano apresentou os cartões postais da Cidade Maravilhosa ao som da banda Barbatuques. O palco então foi ocupado por Martinho da Vila que cantou Carinhoso, de Pixinguinha além de outros sucessos de nomes clássicos da MPB como Noel Rosa. Depois que Paulinho da Viola cantou o hino nacional na abertura foi a vez de 27 crianças representando cada estado e o Distrito Federal.


A cantora Roberta Sá incorporando Carmem Miranda convidou os atletas a entrarem no estádio do Maracanã. Juntos e misturados os astros da festa foram entrando. Primeiramente a representante da Grécia, o berço dos jogos e o multi medalhado Isaquias Queiroz que foi nosso porta bandeira, logo atrás vieram os outros porta bandeiras como a ginasta americana Simone Biles e o judoca do Congo Popole Misenga, do time de refugiados sob a bandeira do COI. Nem mesmo a forte chuva que caía sobre o Maracanã diminuiu o ânimo dos atletas. No ritmo do frevo, baião, xaxado e outras variações culturais deram prosseguimento à cerimônia. A cantora Julia Michaels e o DJ Kygo cantaram em homenagem aos atletas e um clipe foi exibido simbolizando o lançamento de uma plataforma digital.


A segunda parte da cerimônia trouxe a história do Brasil contada da arte rupestre à arte contemporânea. Uma mulher rendeira teceu um pedaço de pano ao som de Asa Branca de Luiz Gonzaga. A última cerimônia de premiação dos jogos foi na maratona masculina. Atletas que foram eleitos para integrar o COI foram homenageados ao som do hino olímpico e do hino da Grécia.



A bandeira olímpica passou primeiro pelo prefeito do Rio Eduardo Paes que foi bastante vaiado, pelo presidente do COI Thomas Bach e chegou às mãos de Yuriko Koike, governadora de Tóquio, sede das próximas Olimpíadas. Então foi a vez do Japão se apresentar por oito minutos com um show ao estilo high tech e dos games. Incorporando o personagem popular Mário, o primeiro ministro Shinzo Abe deu início à apresentação japonesa de oito minutos.


A parte de discursos começou com o presidente do COB e do Comitê Organizador Carlos Arthur Nuzman exaltando a capacidade do Rio de organizar a Olimpíada e afirmando que foram sete anos de luta, depois em português e francês Thomas Bach agradeceu o empenho do povo carioca ressaltando a celebração da diversidade do evento. Cinco representantes de cada área integrada ao evento foram premiados e Bach conclamou a todos a participarem dos Jogos de Tóquio.



A parte final da cerimônia trouxe o paisagismo de Roberto Burle Marx ao som de Tom Jobim e depois a chama olímpica foi apagada numa chuva artificial com a cantora Mariene de Castro cantando a música Pelo tempo que durar, de Marisa Monte. Uma nova queima de fogos ocorreu e como se fosse a Marquês de Sapucaí a celebração do carnaval ao som de Cidade Maravilhosa e com Leandra Leal puxando o Cordão da Bola Preta lembrando os carnavais de rua e ao ritmo de samba estão encerrados oficialmente os Jogos Olímpicos Rio 2016.


E aqui coloco ponto final à cobertura integrada da Olimpíada Rio 2016. Aqui no FC Gols, no Blog de Knunes e no Blog Olímpico Rio 2016 trouxemos para vocês tudo que aconteceu de mais importante durante esses 16 dias inesquecíveis, mas o espírito olímpico não para por aqui. Vem aí a Paralimpíada que também terá cobertura especial no Blog de Knunes e também no FC Gols a partir de 7 de setembro. Até lá e Obrigado Rio 2016!


Leia mais

Sentimento de revanche. Sonho do ouro inédito. Antecedentes positivos e negativos. Histórias distintas que se encontram. Nove Copas do Mundo. Nada melhor para abrigar isso tudo do que o Templo do futebol, o Maracanã. Brasil x Alemanha se enfrentavam na final dos Jogos Olímpicos, numa partida onde haviam mais ingredientes presentes do que apenas o ouro. Duas seleções gigantes buscando um título até então inédito para ambos. Além disso, não podemos deixar para traz o fatídico 7x1, também ocorrido em solo brasileiro.

Neymar, uma figura simbólica e protagonista do jogo. Ausente no 7x1, o camisa 10 brasileiro foi muito criticado no início do torneio, mas foi evoluindo junto com o time durante a competição. Na final, indicou durante a comemoração que se estivesse “aqui” a dois anos atrás o resultado poderia ser diferente. Abriu o placar com um golaço de falta, mostrando ser decisivo e não pipoqueiro. A vitória simples estava dando Ouro, mas Meyer tratou de deixar as coisas mais emocionantes. Destaque também para as traves que salvaram o Brasil inúmeras vezes.


Prorrogação sem gols e nos pênaltis um novo destaque. Weverton um dos três jogadores acima dos 23 anos foi convocado às pressas com a lesão de Prass. Quis o destino que ele se tornasse herói defendendo o pênalti de Petersen, o único não convertido. Vitória por 5x4 nas penalidades, festa no Maracanã, festa no Rio de Janeiro, festa no Brasil inteiro. O ouro sonhado veio, dentro de nossa própria casa!


Ainda temos que melhorar muito, contudo devemos comemora esta conquista. Esta pode ser o início da volta do Brasil como o País de Futebol. Hoje podemos bater no peito e dizer: “Somo pentacampeões mundiais e ganhamos tudo que era possível”.
Leia mais

Esta é a família do vôlei brasileiro. Uma família que em 16 anos sob o comando de Bernardinho ganhou tudo que era e não era possível. Um dos líderes dessa família está se aposentando: o líbero Serginho que aos 40 anos deixa a seleção com mais um ouro na conta. Nesta foto todo mundo reunido e sem esquecer Murilo que foi cortado antes da Olimpíada. E assim chega ao fim mais uma Olimpíada, amanhã começa um novo ciclo olímpico visando Tóquio. E aqui fica nosso agradecimento à Serginho, que vai fazer falta.

Foto de FIVB/Divulgação
Leia mais

As últimas competições e medalhas do Rio 2016
  • O Uzbequistão conquistou duas medalhas de ouro no boxe neste último dia. Ambas no masculino, Shakhobidin Zoirov venceu no peso mosca (até 52 kg) Fazliddin Gaibnazarov no peso médio-ligeiro (até 64kg)
  • No mountain bike Henrique Avancini foi o 23º e Rubens Donizete foi o 30º colocado.
  • No handebol masculino a medalha de ouro ficou com a Dinamarca que impediu a França de ser tricampeã olímpica vencendo a decisão por 28 x 26. A Alemanha ficou com a medalha de bronze.
  • Na ginástica rítmica a Rússia obteve seu quinto título seguido na prova por equipes. A medalha de prata ficou com a Espanha e o bronze foi pra Bulgária.
Leia mais

O último dia de competições dos Jogos Rio 2016 marcam a melhor participação brasileira em quase 100 anos de história e com fecho de ouro com o tricampeonato do vôlei masculino.

Vôlei é Tricampeão e Brasil fecha sua melhor Olimpíada:

Numa sensacional recuperação o vôlei masculino do Brasil conseguiu uma espetacular reação e não mais perdeu, sendo que nos dois últimos jogos dois atropelos. Hoje no Maracananzinho e com Neymar na plateia o time de Bernardinho arrasou com a Itália com um incontestável 3 x 0 (25/22, 28/26 e 26/24) em quase 2 horas de jogo. A partida marcou também o adeus de Serginho, o líbero que se tornou símbolo de uma era de conquistas. 


Este é o terceiro título do vôlei masculino brasileiro que nas duas últimas (Pequim e Londres) obteve a medalha de prata. A campanha que começou irregular e com ameaça de desclassificação terminou de forma positiva. A Itália segue sem ganhar a medalha de ouro e ficou com a medalha de prata enquanto a medalha de bronze foi dos Estados Unidos que venceram de virada a Rússia.

Mais um show queniano na maratona:


O Quênia de novo dominou a maratona masculina e sob forte chuva e com bateria da União da Ilha agitando os maratonistas tanto na largada como na chegada o queniano Eliud Kipchoge venceu a prova com o tempo de 2h08min 04s.O etíope Feyisa Lilesa ficou com a medalha de prata e a medalha de bronze foi para o americano Gallen Rupp. O melhor brasileiro na prova foi Paulo Roberto Paula que foi o 15º colocado. Marilson dos Santos terminou na 59º colocação e Solonei Rocha foi o 78º colocado. Marílson anunciou aposentadoria neste domingo.

Mais um ouro na conta do basquete Estadunidense:


Na última competição das Olimpíadas deu a lógica. Num show de Kevin Durant que fez 30 pontos o Dream Team conquistou o ouro mais previsível dos jogos ao atropelar a Sérvia por 96 x 66. Em 19 torneios olímpicos desde a introdução nos Jogos de Berlim os americanos só perderam três (um foi por boicote) e marcou também o adeus do Coach K que será substituído por Gregg Popovich. A medalha de bronze ficou com a Espanha que venceu a Austrália por um ponto de diferença, 89 x 88. O Brasil terminou a competição em nono lugar.
Leia mais

Depois de anos de frustrações enfim o futebol brasileiro solta o grito de campeão olímpico no futebol masculino. Jogadores que no passado também disputaram a Olimpíada como Romário, Bebeto e Ronaldo seriam campeões mundiais pouco tempo depois. Esperamos que Neymar e outros jogadores possam ajudar o Brasil a se reerguer no cenário do futebol mundial. Tá aí Tite, porque não usar a seleção campeã olímpica como base para formar uma nova seleção brasileira forte que é o que todos nós queremos. A bola está com você.

Foto de Roberto Castro/ Brasil2016
Leia mais

No penúltimo dia o Brasil teve outras participações.

O desempenho dos demais brasileiros:
  • No triatlo feminino Pâmella Oliveira terminou na 40ª colocação a 7 minutos da vencedora.
  • No golfe Mirian Nagl terminou em 52º lugar e Victoria Lovelady foi a 53ª colocada
  • No pentatlo moderno Felipe Nascimento terminou na 31ª colocação.
  • Nos saltos ornamentais Hugo Parisi ficou em 16º lugar e não se classificou pra final assim como o inglês Tom Daley que foi o último colocado.
  • Na ginástica rítmica o Brasil fez uma apresentação de encher os olhos, mas por muito pouco não entra na final. A equipe ficou na nona colocação e apenas as oito primeiras avançam.
  • No polo aquático masculino a seleção perdeu com gol no fim da Espanha e ficou em oitavo lugar. A medalha de ouro foi da Sérvia.
  • No mountain bike Raiza Goulão ficou na 20ª colocação
  • A equipe do K4 1000 m terminou na quinta colocação na final B e terminou em 13º lugar.
  • No último dia de atletismo no Engenhão Usain Bolt recebeu sua nona medalha no revezamento 4 x 100 conquistada ontem e no revezameto 4 x 400 os Estados Unidos ficaram com o ouro e o Brasil ficou na oitava colocação.
Leia mais

O sábado foi especial para o esporte brasileiro que no penúltimo dia conquistou três medalhas (a medalha de ouro do futebol quem vai falar é o Patryck) e supera o recorde de Londres na melhor participação brasileira em todos os tempos.

Isaquias Queiroz ganha sua terceira medalha e se consagra em sua Olimpíada de estreia:

A canoagem brasileira antes de Isaquias Queiroz vivia de resultados inexpressivos, mas depois de 2012 quando se integrou à seleção brasileira e passou a ser treinado por Jesús Morlan ele levou a canoagem brasileira à um outro patamar. E nessa semana inesquecível o baiano de Ubaitaba fez história ao se tornar o primeiro atleta com três medalhas numa só Olimpíada. Ao lado do amigo e parceiro Erlon Souza ele ficou com a medalha de prata no C2 1000 m. Os dois foram superados pela canoa da Alemanha de Sebastian Brendel nos metros finais depois de liderarem por 800 metros. Pelo feito alcançado Isaquias será o porta bandeira na cerimônia de encerramento neste domingo.

Maicon Siqueira conquista bronze heroico no Taekwondo:


O Brasil conquista no penúltimo dia a medalha de bronze no taekwondo. E ela veio com Maicon Siqueira, bronze na categoria até 80 kg ao vencer na decisão da medalha de bronze o britânico Mahama Cho. Esta é a segunda medalha na história da modalidade e a primeira masculina na história. A primeira foi com Natália Falavigna em Pequim 2008.

Americanas são hexa no basquete:


A seleção feminina de basquete dos Estados Unidos conquistou a medalha de ouro pela sexta vez seguida ao vencer na final a seleção da Espanha por 101 x 72. A medalha de bronze foi da Sérvia que venceu a França por 70 x 63.
Leia mais

Depois de 16 dias de disputas a Olimpíada chega ao fim neste domingo. O último dia de competições tem como atrações as decisões nos esportes coletivos e a maratona.
  • Às 8 e meia acontecem as classificatórias da luta livre masculina em duas categorias. 
  • Às 9 e meia acontece a maratona masculina, última prova do atletismo e o Brasil terá três representantes na disputa. 
  • Também às 9 e meia acontece a decisão da medalha de bronze no vôlei masculino entre Estados Unidos e Rússia. 
  • Às 10 e meia tem a decisão da medalha de bronze no handebol masculino entre Polônia e Alemanha. 
  • Às 11 da manhã tem a final por equipes da ginástica rítmica. 
  • Às 11 e meia tem a decisão da medalha de bronze no basquete masculino no duelo entre Austrália e Espanha. 
  • Ao meio dia e meia tem o cross country masculino no mountain bike. 
  • Às 12 e 45 tem as finais da luta olímpica. 
  • À 1 e 15 da tarde tem a grande final do vôlei masculino com Brasil e Itália revivendo a decisão do ouro em Atenas 2004. 
  • Às 2 da tarde tem as finais do boxe em quatro categorias. 
  • Também às 2 da tarde tem a final do handebol masculino. 
  • Às 3 e 45 acontece a última competição dos Jogos, a final masculina do basquete com Estados Unidos e Sérvia e a última medalha de ouro em disputa.
  • E às 8 da noite chegou a hora do Rio dizer adeus à Olimpíada 2016. A cerimônia de encerramento marca o fim oficial dos jogos. Haverá apresentações de ritmos de nossa música, com muito samba e ritmo. A pira olímpica será apagada e haverá a passagem de bastão para Tóquio que recebe a bandeira olímpica, aí será a vez dos japoneses fazerem seu cartão de visitas para 2020. No fim uma grande queima de fogos simbolizará o adeus à Rio 2016. E na segunda se inicia um novo ciclo olímpico visando Tóquio.
Leia mais

Terça-feira, 8 de julho de 2014, Estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como Mineirão. Brasil x Alemanha se encontravam para disputar uma vaga na final da Copa do Mundo de 2014. Os brasileiros vinham com esperanças após o título da Copa das Confederações e a boa campanha até então, e buscavam a vitória para superar o Maracanazo numa possível final, mesmo sem Neymar. Contudo, os alemães vieram com força total e na partida, a pior atuação da história da Seleção Brasileira. O trágico e amargo 7x1 que nunca será esquecido.

Dois anos depois, 20 de agosto de 2016, Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã. Brasil x Alemanha se reencontram em solo brasileiro. A competição é outra, as equipes são outras, o estádio é outro, mas a lembrança recente é a mesma. Desta vez, o Brasil conta com Neymar, contudo os alemães, campeões no feminino, também buscam o ouro inédito. A partida promete ser disputada, o 7x1 é difícil de ocorrer novamente, tanto de um lado quanto do outro. O Brasil, após um início ruim se reabilitou na competição, já os alemães eliminaram fortes candidatos, como a Nigéria e o atual campeão europeu sub-21, Portugal, que antes havia aplicado 7x1 contra os germânicos.


O palpite para o jogo é complicado, é o melhor ataque (21 gols alemães) contra a melhor defesa (nenhum gol tomado pelo Brasil), ambos fizeram 5 pontos na fase de grupos, entretanto torcerei demais para nossa seleção, pois pode ser que uma vitória simples não sare a ferida do 7x1, porém amenizará demais a amarga lembrança além de conquistar um título inédito dentro do Maracanã.

Como foram as semis:


O Brasil nas semis atropelou Honduras por 6x0, com direito ao gol mais rápido no futebol das Olimpíadas, tanto no feminino quanto no masculino. Neymar, que marcou aos 14 segundos, balançou as redes novamente, junto com Marquinhos, Luan e Gabriel Jesus, também duas vezes. Apesar da eficiência do ataque nos últimos confrontos, devemos também elogiar a defesa que não sofreu nenhum gol e será primordial que este número se mantenha para a partida na final. Já os alemães venceram a Nigéria 2x0 com gols de Petersen e Klostermann

Na disputa pelo bronze, vitória da Nigéria por 3x2 contra Honduras.
Leia mais